!!“O Último Mestre dos Ares” de M. Night Shyamalan!! por Rod Castro

9 de fev de 2011

Após assistir ao bom “Sinais” pela terceira ou quarta vez, sozinho pensei alto: Shyamalan é o novo Spielberg do mercado cinematográfico. E isso é um pensamento positivo até demais e não é a toa nem tem cunho comparativo por ser, como se tentasse buscar um referencial para espelhar um pensamento, é somente uma análise mesmo.

Confira: Shyamalan “surgiu” para o mundo com um suspense (“O Sexto Sentido”), Spielberg também, com o subestimado “Encurralado”. De lá, ambos partiram para algo maravilhoso que é a recuperação de um gênero, ainda dentro do suspense: Spielberg emplacou o terror “Tubarão”, Shyamalan fez um excelente filme de super heróis em “Corpo Fechado”.

Sem deixar as comparações morrerem, ambos emplacaram um filme que abordava o tema extraterrestres: “Contatos Imediatos de Terceiro Grau” (Spielberg) e o já comentado “Sinais” (M. Night). Não havia como não compará-los e essa situação era mais favorável a Shyamalan do que muitos pensam pelo menos na minha comparação o era.

Pois bem, se você acompanha aqui o “A Sétima e Todas as Artes” saberá que desde “A Vila”, que não desgosto. Apenas penso que M. Night perdeu a mão em momentos-chave, a comparação entre esses dois grandes diretores foi abandonada aqui por este escriba. Mas agora ela volta a tona com o mais novo filme do indiano: “O Último Mestre dos Ares”.

Massacrado pela crítica, desde que fez o belo “A Dama na Água” – em que ele desmistificava um dos seus principais personagens, um crítico de cinema – M. Night viu sua primeira adaptação ser mais uma vez expurgada pelos analistas de plantão. Uma pena, porque o filme funciona e muito, ainda mais se você for uma pessoa com idade até 14 anos.

E ao assistir ao filme que mostra a busca pelo último mestre do ar – há também o povo do fogo, o povo da água e o povo da terra – através da visão de crianças e semi-adolescentes M. Night acerta o tom de seu filme, do início ao fim. Confesso que meu maior medo era como ele iria lidar com os efeitos especiais grandiosos que a história necessita, mas afirmo que sua direção foi impecável.Os ganchos deixados por todo o filme trazem a lembrança os mesmos largados por Steven em “Indiana Jones” e outros filmes produzidos pelo americano, como “Goonies”. São situações que se resolvem por si só, ao mesmo tempo em que deixa o espaço aberto necessário para que ocorra uma continuação.

Outro aspecto interessante do filme: Shyamalan passeia por todas as lutas. Sua câmera registra tudo como se fosse mais um elemento da coreografia já ensaiada. A visão não se desvia, ela faz parte da situação e isso engrandece e até mesmo dá um ritmo diferente aos atuais filmes estilo fantasia que tanto querem vender para as crianças de hoje em dia.

Acabo de me lembrar de outro fato: após assistir ao melhor trabalho de Shyamalan, "Corpo Fechado", exerciteiminha mente ao imaginar uma possível carreira do indiano frente a personagens icônicos dos quadrinhos, como "Superman" e até mesmo "Batman". Após esse "O Último Mestre dos Ares", peguei-me, novamente, imaginando o diretor frente a outro segmento do cinema atual, liderando um "Harry Potter", "Bússola de Ouro" e até mesmo um "Crônicas de Nárnia", mas com seu toque pessoal. Seria bom.

Nota 8,5 para este primeira parte da saga do carequinha, veremos os demais episódios.

4 comentários:

manjaro disse...

Péssimas cenas de ação, que não guardam nem de longe o impacto fantástico e fluido das cenas de combate do desenho e péssima construção de personagens, que guardam pouca relação com os originais.
Não tenho nada contra liberdades criativas em adaptações, porém o resultado no filme é infinitamente inferior ao material de origem.

Eu adoro filmes que supostamente só se associam a adolescentes e crianças, é uma pequena que ele tenha cometido esse filme com uma das melhores séries de animação que a Nickelodeon já produziu.

ps.: Shyamalan já foi sinônimo de qualidade pra mim, até Dama na água esperava ansiosamente o lançamento dos seus filmes. O indiano que dirigiu Sinais parece ter morrido alguns filmes atrás.
Fico sinceramente triste com o que ele tem feito.

Rod Castro disse...

Fala Manjaro. Beleza? Então cara, o que eu mais ouvi de quem acompanha a série são as mesmas afirmações que você põe acima.

Como disse, vi pouco da série, pouquíssimo mesmo, mas do filme, sem ver a série, só posso falar o que falei: gostei. Vai que eu assisto ao filme depois de acompanhar a série e detono, mas como disse um cara que escrevia sobre filmes: o melhor de escrever sobre um filme é ainda sob o efeito de suas primeiras impressões.

Aliás, bem vindo Manjaro, saudações aos amigos do pula pirata!

Rod Castro disse...

Quanto ao Shy. Eu acho que ele vai voltar a ser o que já foi um dia sim. Quem aprende a andar de skate não cai na primeira subida.

Torço pela volta dele, vamos ver!

manjaro disse...

Fiquemos na torcida !
:]