!!A mãe lobo deu cria novamente... ou: é se desfazendo que se faz um bom disco?!! Por Rod Castro!

21 de jan de 2010

Poucas bandas alcançaram um respeito de crítica e público assim que apresentou seu primeiro trabalho. De cabeça agora, alguns nomes me vêem a cabeça: Coldplay, The Strokes, Queens Of Sonte Age, Stone Temple Pilots... e mais alguns, mas não devo passar de uns 50 nomes. Entre eles, com certeza, estará o do power trio australiano Wolfmother.

Uma mistura de Black Sabbath com Led Zeppelin. Esta era a minha primeira definição sobre a banda assim que pus meus tímpanos em seu primeiro disco, intitulado com o nome da banda.

Músicas interessantes, apresentações viscerais, clipes bem bolados, premiações, shows lotados, boas vendas. Tudo estava a favor do Wolfmother, que para impressionar mais ainda seus ouvintes e crítica, tinha uma média de idade entre os 23 anos, assim que surgiu.

Era a banda certa, surgindo no momento certo. Até que a gravadora cobrou um novo disco, já acertado em contrato. Ai tudo foi por água abaixo. A banda entrou em conflito, as acusações começaram e um sumiço imediato tomou conta do Wolfmother e ano de 2008, o que a banda deveria entregar um novo álbum, passou em branco.

Em 2009, foi anunciada a saída de seu baixista/tecladista Chris Ross (um fã de John Paul Jones) e o baterista Myles Heskett (um fã incondicional de Bill Ward batera do Black Sabbath). O vocalista Andrew Stockdale (um Ozzy Osbourne mais consciente e ótimo guitarrista) tocou o barco sozinho, pôs anúncios em jornais e retomou a banda, agora um quarteto: Adrian Nemeth (guitarra base), Ian Peres (baixo/teclado) e Dave Atkins (bateria). O resultado?

Melhor do que se esperava. O segundo disco do Wolfmother: Cosmic Egg tem uma pegada de estrada e uma ousadia que o difere do primeiro trabalho da banda, mas a distancia é proposital e traz novas camadas ao som já anteriormente proposto. É rock de qualidade, tocado com maestria, com letras sobre unicórnios e garotas. Ou seja: é o velho (?) Wolfmother, com roupagem nova e sugando a sua fonte seiscentista: Deep Purple, Led Zeppelin e Black Sabbath.

“California Queen”, “Sundial”, “10.000 Feet”, “Pilgrim” e “Black Round”caberiam em qualquer disco do Sabbath; “New Moon Rising”, “Cosmic Egg”, “Cosmonaut”, “Eyes Open”, “In The Castle” e “Phoenix”seriam repertório em qualquer show do Purple; “White Feather”, “In The Morning”, “Far Away”, “Caroline” e “Violence Of The Sun” fariam os monstros do Led balançarem suas cabeças.



É com toda essa pompa que o Wolfmother segue rumo ao estrelato já previsto. E que agora eles se unam e façam bons trabalhos como estes, afinal, os saudosistas de um bom rock agradecem as homenagens e cantam suas músicas. Nota 9,0 (obrigatório para a sua coleção de discos da safra de 2009).

Nenhum comentário: