!!Dois com uma porrada só... ou: Brad Renfro e Heath Ledger!! Por Rod Castro

23 de jan de 2008

Dia 21 de dezembro, em uma super promoção de uma locadora local entre milhares de DVDs, encontro um filme que há muito tempo caçava por sites e lojas especializadas: “O Aprendiz”.

Este filme nasceu bom. Primeiro pelo seu diretor – Bryan Singer (nesse tempo só havia feito “Os Suspeitos”) – segundo por seu contexto – um garoto descobre que em seu bairro mora um ex-nazista – e terceiro por seu elenco azeitado: no papel do senhor nazista o sempre competente Ian McKellen e no do garoto um dos melhores atores jovens de Hollywood, Brad Renfro.

Renfro teve a sorte de iniciar sua careira com um filmão, “O Cliente” (de 1994), e mais sorte ainda por ter em seu primeiro papel a possibilidade de contracenar com pesos pesados do quilate de Susan Sarandon, Tomy Lee Jones, além de ter sido dirigido por Joel Schumacher.

Dois anos depois Renfro fez o líder de um grupo de garotos, em “Sleepers, A Vingança Adormecida”, que moravam em um orfanato e sofriam abusos por parte de um inspetor (Kevin Bacon). O grupo de garotos crescia e anos depois, em um bar acabavam por encontrar seu algoz e davam o troco.

Depois veio “O Aprendiz” e na seqüência, dezenas de situações que colocavam o nome do ator lado a lado com palavras não muito boas, como: drogas, álcool, problemas, reabilitação, talento desperdiçado e fim trágico próximo.

No dia 30 de dezembro último, assisti ao lado de minha esposa ao “Aprendiz”. Impressionei-me com o duelo entre o pupilo e seu mestre em fazer maldades.

Dia seguinte, em um almoço de final de ano com primos meus, falo do filme e todos comentam sobre como o filme é bom. 15 dias depois, Renfro é encontrado morto, a imprensa afirma que seria overdose por consumo de drogas.

No mesmo almoço, comentei como o trailler do novo filme do Batman, “Batman O Cavaleiro das Trevas” me impressionou e como Heath Ledger roubava a cena com o seu psicótico Coringa. Não era novidade até ali, Ledger nos seus últimos trabalhos já mostrava que seu futuro seria mais do que promissor.

O australiano que nasceu para o mundo após fazer o juvenil “Dez Coisas Que eu Odeio em Você” e que mais tarde faria o divertido “Coração de Cavaleiro”, só começou a receber minha atenção, e dos críticos, após suas boas atuações em “O Patriota” e “A Última Ceia”.

Em ambos os filmes, Ledger encarna os filhos dos personagens principais – Mel Gibson e Billy Bob Torthon – que se parecem muito: ambos são deslocados, distantes de seus pais e morrem de forma trágica – o suicídio do seu personagem em “A Última Ceia” é pesado e ao mesmo tempo surpreendente.

Tudo bem que ainda houve atuações mais ou menos em filmes que ninguém leva em consideração, como em “O Devorador de Pecados”, “As Quatro Plumas” e na regravação de “Ned Kelly”.

Mas ele se recuperaria e engataria três excelentes projetos: o alternativo e documental “Reis de Dogtown” – em que encarna o dono da loja de surfe que banca a carreira dos três mais importantes esqueitistas da década de setenta – o filme fantasia “Os Irmãos Grimm” – contracenando com Matt Damon e sendo dirigido pelo mestre Terry Gilliam – e por último o seu papel mais importante, como o cowboy gay de “O Segredo de Brokeback Mountain”.

Três papéis distintos. Três caracterizações marcantes. Varias indicações a prêmios e dois convites inusitados depois – para “I’m Not There” (em que vários atores vivem as mais diferentes fazes da vida de Bob Dylan) e para “Batman, O Cavaleiro das Trevas” – o ator promissor sofre um baque: suas esposa, a atriz Michelle Williams, pede a separação e com ela vai a filha de apenas dois anos.

O resultado: ontem, as 18 horas local, recebi um telefonema que me dizia: “Ledger acabou de ser encontrado morto, por overdose de medicamentos para dormir”. Exatamente uma semana após o anúncio da morte de Renfro.

É uma pena. Dois jovens atores. Com trabalhos significantes e de certo, profissionais que há mais de dez anos estariam na lista dos mais promissores de suas gerações, se vão no intervalo de uma semana. Será que semana que vem na próxima terça, se via mais um?

Um comentário:

Anônimo disse...

Eu amo Brad, é uma perda muito grande.
Fiz um blog em homenagem a ele.
Visitem e comentem:

http://meumundodefantasia.multiply.com/