It's Hard To Explain? Não. Dez anos de Is This It.

31 de jan de 2012



Sentado em um sofá, espero o programa de Rádio do Joaquim Marinho começar. Assim estava eu naquele dia, até que o outro produtor do programa, Jackson Coletti, também conhecido como Chacal, diz que a dona Chiquinha, representante da EMI, tinha mandado algo pra mim.

Capa interessante: um perfil de um quadril bem branco com uma luva. Primeiro pensamento: já vi esta capa? Sim. E os caras se chamam The Strokes? Sei.

Sim, estes foram os meus pensamentos sem dar um sequer play. Eu sei, preconceito. Esta palavra horrível e que faz a gente criar bloqueios. Ainda mais quando somos novos e achamos, por quase todo o dia, que sabemos tudo e não, não sabemos.

Levo o CD pra casa, escuto. Não suporto. Assim como não suportei Led Zeppelin, Joy Division e Radiohead. Traduzindo: deve ser bom, meu ouvido quando capta algo novo e que eu não entendo a mensagem de primeira quer dizer que é bom, assim espero.

O Joaquim Marinho cobra o CD, eu não levo, mas levo uma esculhambação, afinal, os tais Strokes estão em primeiro lugar não sei aonde, viraram a sensação na rádio cicrana e já foram até capa daquela revista de rock, mas que fala de tudo – é, não parece, mas já se vão dez anos que Is This It foi lançado meu caro.

Tá bom, confesso: Is This It me pegou quando pensei que não sobreviveria. Passei por uns apuros amorosos e as letras de Julian Casablancas me espancavam os ouvidos enquanto massageavam meu cérebro.

Mas falando do que realmente interessa: Este não é o CD que salvou o rock pela enésima vez nos últimos 30 anos. Não. O rock que ali está tem algo muito bom e que compõe a maioria dos excelentes álbuns já lançados: simplicidade somada a atitude.

Sim, porque já tínhamos, roqueiros, vivido tudo o que era onda. E como estas ondas apenas se renovam sobre os pilares do que já foi realizado – daí talvez a capa que remete a do Stooges? – elas quebrariam as barreiras de caixas sonoras espalhadas pelo mundo. E meninos se vestiriam desleixadamente, deixariam seus cabelos emaranharem e apostariam em suas bandas.

Os Strokes não salvaram o rock. Mas eles catapultaram o indie. A parede de guitarras, a batida compassada, a linha de baixo matadora e o vocalista completamente desleixado com o jeito (e modo) de cantar, fizeram escola. E eles estavam em todos os lugares.

Dez anos passam rápido. Mas você sabe que está ouvindo algo que é para sempre quando acorda, como hoje acordei, pega o seu CD, o tira da caixa, põe em seu aparelho, aperta o play e o ouve como se fosse a primeira vez, mesmo sabendo todas as letras e demais movimentos sonoros. Is This It completou só a sua primeira década, há muitas pela frente. 

2 comentários:

Fábio Amoedo disse...

Rod. Sensacional!! Strokes trouxe novamente aquela alegria de ouvir rock...Parabéns pelo blog!!

Rod Castro disse...

Fala grande Fábio meu irmão! Os caras são feras e realmente possuem responsabilidades quando o assunto é rock atual. Obrigado pelos comentários!