!!Quem disse que Rap não era coisa de branco ou: 15 anos de I´ll Comunication dos Beastie Boys!! Por Rod Castro

15 de jun de 2009

Se hoje Marcelo D2 é admirado por tantas pessoas – desde os pagodeiros, passando pelos roqueiros e chegando até os manos do rap e hip hop – muito se deve a três branquelos que largaram a vida do hard rock para se dedicar a algo incomum entre os de sua raça em um país preconceituoso como os EUA, o bom e velho RAP.

Se os Beastie Boys não tivessem feito tanto sucesso com o seu primeiro disco, “Lincensed to Ill” – em que misturavam riffs de hard rock e hip e hop – dificilmente garotos brancos se arriscariam nessa praça. Melhor ainda, sem os BBs a mistureba de rock, samba, rap e até mesmo tropicalismo e música indiana, não teria o devido reconhecimento e Marcelo D2 seria somente conhecido por ter feito parte de uma banda de “maconheiros”.

A bagunça do primeiro disco se mostrou bem mais inteligente no sempre subestimado segundo disco “Paul´s Boutique”. Ali se firmava uma das melhores parcerias entre produtor e banda: os BBs e o brasileiro Mario Caldato, que assumiu a produção de duas músicas desse LP e dali pra frente s tornou o responsável em mostrar a Ad Rock, Mike D (lembra o nome de alguém?) e Ad Yauch o maior número de boas referências musicais.

Aqui nesse ponto a história começa a ser feita. Sem Mario os BBoys não teriam feito um disco tão a frente de seu tempo como o fizeram no terceiro trabalho, já clássico por derrubar os grunges das paradas em 1992 e por ter dado uma cara diferente ao som da banda: “Check Your Head”.

E sem Caldato dificilmente os descendentes de judeus que cantam música de negro teriam acertado o petardo intitulado “I´ll Comunication”.

A cada música passada desse excelente CD, que completou uma década e meia de lançamento – no último dia 31 de Maio – a mão do produtor brasileiro é sentida. Seja por uma cuíca ao fundo, uma levada de violão a la Jorge Ben, uma base de samba rock aqui outra acolá ou até mesmo uma homenagem a música “Top, Top, Top” dos Mutantes, que teve seu refrão transformado em canção, a célebre “Sabotage” - que tem o vídeo clipe mais interessante de todos os tempos, dirigido pelo louco Spike Jonze (mesmo de "Quero Ser john Malkovich").

A tabelinha produtor-trio trouxe outra característica marcante ao som dos nova iorquinos: dentre tantas faixas com rimas e scratchs, se destacavam outras que que não tinham tais características: músicas tocadas com instrumentos e sem voz, ao estilo jazz. Em “I´ll Comunication” esse estilo de trabalho ganhou mais força ao entregar três excelentes faixas: “Sabrosa”, “Rickys´ Theme” e a derradeira “Transitions”.

Tudo isso junto em um disco com mais de 20 músicas tornou a banda em uma das mais influentes da década de 90 e fez de “I´ll Comunication” um clássico moderno que sempre é citado em listas dos “melhores discos” dessa mesma década. Merece estar em uma boa discoteca, principalmente na sua.

E antes de encerrar dado interessante: advinha quem produz os discos tão bme feitos do Marcelo D2 e que era o mesmo produtor dos últimos discos do Planet Hemp? Yep, Caldato!

Um comentário:

Luciano Ramos disse...

Oi Rod,
Aqui é o Luciano Ramos do blog
Programacinemafalado.
Vc me pediu a lista dos filmes que entram no livro OS MELHORES FILMES NOVOS.
Mas são 290!
Acho que vai ficar uma postagem grande demais, não?
Mas o livro deve estar logo nas livrarias e seria mais legal vc esperar um pouco e verificar no próprio índice dele. E aproveitar para dar uma olhadinha no resto do trabalho...
Abração
Luciano