!! A ponte entre o disco mais conhecido e o mais técnico ou: Led Zeppelin Houses Of Holly!! Por Rod Castro!

3 de dez de 2008

Em outubro de 1998, após chegar da escola, vi minha edição de Showbizz jogada do lado de dentro da minha casa. A capa: 30 anos de Led Zeppelin. Pestanejei na hora: quando não era o Renato Russo na capa – as viúvas do cantor transformaram a revista numa espécie de homenagem constante – era uma banda das antigas. E como ficavam os meus gostos na época?

Enfim, ainda enraivecido pela capa, acabei fazendo o que nunca fiz, na minha carreira de leitor de revistas “culturais”: comecei pela matéria principal. Em vez de ler e ficar com o sentimento de ter me livrado de algo enorme e desnecessário, a experiência me fez tão bem, que li e reli a matéria dezenas de vezes ainda naquele mês.

E como aquela banda era e é tão importante para o rock – principalmente o pesado – a gravadora, Warner, entregou de presente para os fãs do mundo todo, uma reedição de todos os CDs do Zeppelin de chumbo. Todos remasterizados e com o selo de 30 anos da criação da banda.

Naquela mesma semana, me vi em uma loja do ramo de CDs, ao lado da minha tia – que patrocinou centenas de discos para mim – e me arrisquei a comprar somente um disco. Afinal, se fosse tudo aquilo mesmo, economizava dinheiro e comprava o restante. O escolhido da vez era “Houses Of Holy” o disco entre o adorado “Led Zeppelin IV” e a obra-prima “Physical Graffiti”.

E que maneira mais interessante de se falar da minha banda favorita de todos os tempos, do que escrever algo sobre esse excelente disco que foi lançado há 35 anos? Aqui começa a experiência:

“Led Zeppelin – Houses Of Holy”

1 – “The Song Remains The Same”: É impossível fazer uma coletânea com as 10 melhores músicas do Led e não incluir esse torpedo de poder sônico que se chama “The Song Remains the Same”. Como se fosse um resumo do que os ingleses podiam fazer, a canção mostra todo o potencial do quarteto: um guitarrista extravagante, dono de riffs criativos, um baixista animalescamente ritmado, um baterista pesado e preciso, e um vocalista que faz o que quer e na cadencia que desejava. Clássica.

2 – “The Rain Song”: Logo na segunda música você sente que a banda era altamente original e ao mesmo tempo “se garantia”: como se faz uma segunda música totalmente inversa à primeira canção? Serena, praticamente sem peso – tirando seu final - com violinos e teclado moogie e um vocalista saudosista. Essa era a banda mais pesada de sua época? Sim e isso é rock, atitude.

3 – “Over The Hills and Far Away”: Vez por outra o sangue celta e a ascendência bárbara da banda tomava conta do som e resultava em canções que nasceram prontas para figurarem em trilhas sonoras de épicos do estilo de cinema “capa e espada”. Essa é mais uma. E toma-lhe violão com guitarra riffada e bateria ritmada.

4 – “The Crudge”: Se “Songs Remains The Same” era a clássica, essa era a resposta de uma banda de rock pesado aos panacas que achavam que eles deveriam se limitar a tocar mais do mesmo em todos os seus discos. Aqui não. Assim sendo: bata o pezinho e jure que está ouvindo uma típica música do mestre James Brown. Funk de verdade e sem direita a “batidão”.

5 – “Dancing Days”: Mas cadê o peso? Como assim? Há algo mais pesado para um homem do que um relacionamento em que ele se esforça e sempre dá algo errado? Aqui está o peso de uma relação em que um rapaz tenta de tudo para ficar com sua amada e seu esforço não dá em nada.

Com direito a viradas e pegadas marcantes na bateria, vocal desleixado e um dos melhores solos rápidos do mestre Jimmy Page – já no finalzinho. “You Know It’s Allright”.

6 – “D’Yer Mak’er”: Lembra da atitude que falei em “The Crudge”? Aqui ela está de volta, a banda investe de forma precisa em um dos reages mais conhecidos do planeta. Mas ainda assim com as marcas registradas da banda: bateria precisa e batida pesada, guitarrista inventivo, baixista estraçalhando e “Oh, oh,oh,oh,ohhh” de Robert Plant propositalmente desleixados.

7 – “No Quarter”: O Vocoder podia até mesmo ser conhecido no mundo da música, mas aqui ele faz um estrago proposital em determinados momentos na voz de Plant. O órgão é transcendental, a bateria e a guitarra apenas compõem uma das músicas mais experimentais da banda. E porque não dizer, até mesmo soturna? Ainda mais com sua letra...

8 – “The Ocean”: Meu Zeppelin preferido é Bonham, o baterista que a minha professora de religião adorava sempre repetir: a Besta. Além de ser um dos melhores bateristas do mundo, Bonzo se arriscava, fazia o que não devia e aprova está aqui em “The Ocean”, além de puxar com comandos vocais a banda ele castiga a pele de sua batera e os pratos com potência ensurdecedora em momentos-chave – e para não faltar detalhes: um dos melhores riffs/solos de Jimmy com direito a gemidos de Plant.

Clássico é assim que se chama um dos melhores discos de rock e que sempre não teve todo o respeito que deveria ter. E sim, a canção permanecera a mesma.

Um comentário:

Bizarro Kid disse...

Fala, fofo. Vi a campanha, sim - adorei, babei, tive três orgasmos e só não fiquei com inveja porque sou uma pessoa iluminada (arrã!). Parabéns e abraços "orgulhosos" (por trás, é óbvio).