!!Homem de Ferro, Indiana Jones e Speed Racer... ou: faltou Nárnia!! By Rod Castro.

12 de jun de 2008

A vida dá voltas e nem sempre completas. No máximo de 180º, o que é bom já que você não pára no mesmo local. Mas cria certas situações que somente sendo muito besta para não relembrar. Uma delas é aquela em que você, por ser do jeitinho que gosta de ser, acaba sendo criticado, sacaneado e até mesmo ridicularizado.

Digo isso porque hoje em dia pessoas com mais de 23 anos e moleques – no bom sentido - que começaram a carreira de “sabedor cultural” se orgulham, com direito a sorrisos, de serem chamados de “Nerd” – palavra de cunho pejorativo criada por Dr. Seuss (criador do “Grinch”) em uma de suas divertidas histórias malucas.

Essa palavra, abdicada durante anos por CDFs, roqueiros, gibiteiros e demais eiros, hoje é caçada por dezenas de pessoas – quase sempre homens – e ser nerd te traz um estilo “up”, ao ponto de no último filme – deletável - do Homem Aranha, haver uma cena em que Peter Park fica feliz ao ser chamado pela alcunha por seu amor – mais louco ainda, é você estar no cinema e notar que as fêmeas ao redor apertam forte os braços dos seus parceiros-machos, com certo orgulho.

Bem, a realidade é a seguinte irmão de nerdiçe dos tempos do ronca: ser nerd é ser o cara, tanto nos cinemas da cidade quanto nos colégios em que as meninas já notaram que namorar pit boy te leva para caminhos piores quando se almeja algo a mais do que somente dar pinta. E isso se deve a onda retro.

Assim, sai sexta-feira, chega outra, nos cinemas do mundo inteiro, pipoca um filme nerd para você se divertir e mostrar todo o seu pseudo-conhecimento tirados da internet, frente a centenas de pessoas “off” e que não são tão... tão nerd como você, ora bolas! – esse é o momento em que os cantos da sua boca tomam direção opostas e ficam mais próximos das suas orelhas, já que o orgulho é incontido.

Assim vamos dar uma avaliada em três dos mais esperados filmes “Nerds” que foram exibidos neste último mês de Junho, simbá?

Speed Racer: Vamos fazer uma lista de desempenho? Cortes aproximados em que você via os personagens que dirigiam os possantes, como no desenho? Confere. Personagens fidedignos – ainda mais o gorducho? Confere. Cenas de corridas amalucadas? Com certeza. Opa! Então temos um filmão nerd? Nops.

Se eu pudesse definir Speed Racer em uma palavra, seria: cansativo. Aceleradamente cansativo, tanto para os olhos quanto para o cérebro. E o erro vem da equipe lá nos boxes – os irmãos Wachowski que desde Reloaded, não acertam a direção, literalmente.

Vai para a estante de DVDs? Com Certeza, mas não sai na primeira fila. E se isso realmente fosse um test drive, o filme estaria recebendo um 7,5.

Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal: O tempo, este fator importantíssimo para arqueólogos pregou uma peça em seu maior representante nos cinemas. Isso é notável pela cara (pelancuda) de Harrison, pelos efeitos que nunca fizeram parte da história de Indiana nos cinemas e pela falta de vontade de um roteiro remendado a duras penas – fator presente em oito de dez produções com o selo “Hollywood de qualidade”, atualmente.

Mas há esperança, afinal Indiana sempre consegue ter a sorte ao seu lado, por isso: a cena de início do filme (respeitando o aspecto de que ele está numa enrascada irreversível que consegue, ao final, ser resolvida), a química de Harrison e LaBeouf (pena que River Phoenix faleceu, mas graças a mãe e pai de Shia o filho de Indi arrebenta) e algumas cenas de aventura são o destaque do filme. Mas...

A cena do “filho do Tarzan” e algumas forcações tiraram o charme de trucagem que sempre se fizeram presente. “Tempo, tempo, mano velho...”. Nota 8,0 (o que não é boa nota se tratando de um ícone dos anos 80).

Homem de Ferro: Tony Stark talvez seja um dos personagens ais interessantes e complexos já imaginados pelo mestre dos quadrinhos, Stan Lee – em sua fase estupidamente criativa a frente da Marvel Comics. Tudo por um fator: Tony não tem poderes, é um ser humano e suas grandes armas são seu charme e inteligência.

O que lembra muito outro personagem, mas da rival DC Comics: Bruce Wayne/Batman. E nada melhor do que ter um diretor que já foi redator e que conhece cinema em sua estrutura, assim como o líder de filmagens da nova seqüência de filmes do morcegão (Chris Nolan), foi com esse estilo de trabalho que a Marvel contratou o excelente John Fevreau (diretor de um dos melhores filmes infantis dos anos 2000: “Zathura”).

E se você tivesse personagens tão parecidos, porque não arriscar num jeito de contar a história parecida como foi contada a do outro? O início de “Homem de Ferro” é muito parecido com a de “Batman Begins”, temos uma formação de Tony a nossa frente e em seguida uma situação chave que muda tudo em sua vida.

Assim acompanhamos a mudança de caráter e a dualidade em ser um reles humano e ser um herói. O fator escuridão de Batman não está e nunca esteve presente na história de Homem de Ferro – apesar de termos o embate mais importante do filme no escuro e em minha opinião, até mesmo, bem fraca.

Ponto para Fevreau que acertou na contratação de seu elenco (o próprio diretor está atuando como motora de Tony), ponto para a história que apesar de ser longa tem grandes momentos, ponto para Robert Dowey Jr. que nasceu para encarnar Tony (num futuro próximo vocês verão no fundo de um copo de Whisky, o que eu estou falando) e ponto para a Marvel Studios que toca pela primeira vez um projeto próprio, longe de “grandes estúios” e consegue no mínimo respeito a uma de suas melhores criações adaptadas em tela grande.

Nota 8,5, com direito a “Iron Man” do Sabbath tocando de fundo.

E faltou eu assistir a elogiada continuação de "As Crônicas de Nárnia".

2 comentários:

Margaux disse...

Adorei Homem de Ferro, mas acho que no Indiana perderam a mao. O enredo ficou muito distante dos filmes anteriores, uma pena, sai do cinema frustrada.
Quanto aos outros ainda nao vi.

E a pergunta que nao quer calar... e você, vai assistir Sexy and the City e colocar aqui a sua crítica? (risos)

Margaux

Rod Castro disse...

Nopsss. Mas já assisti ao novo Hulk e recomendo milhares de vezes, na miha opinião, em adaptações Marvel para a telona, só perde para os X-Men 2 e Homem Aranha 2